O sistema familiar muda à medida que a sociedade muda, e todos os seus membros podem ser afetados por pressões interna e externa, com a finalidade de assegurar a continuidade e o crescimento psicossocial de seus membros.

Resumo

O sistema familiar muda à medida que a sociedade muda, e todos os seus membros podem ser afetados por pressões interna e externa, com a finalidade de assegurar a continuidade e o crescimento psicossocial de seus membros. Esse projeto tem como objetivos: identificar a espiritualidade como processo de fortalecimento do vínculo familiar; reconhecer a influência da religião na família; e relatar os sentimentos da família durante as práticas religiosas. Trata- se de uma pesquisa com abordagem quanti-qualitativa exploratória transversal. O estudo foi realizado com dez indivíduos de famílias residentes na Zona Sul de São Paulo, tendo como critério de inclusão, os participantes possuírem pelo menos um familiar no convívio (casa) que participam de práticas religiosas. Observamos através das respostas que 20% dos participantes pontuaram religião como importante nos seguintes aspectos: base do lar e família; 20% fé e vida eterna; 20% amor união e participação; 20% orientação e direção e 20% responderam como importante da ajuda de resoluções de problemas e dificuldades. No que diz respeito às atividades religiosas desenvolvidas pela família percebemos que todos participavam de orações, 90% de cultos, 50% de grupos na igreja, 20% de voluntariados e meditações e 10% dos hinos. Concluímos que a espiritualidade influência positivamente na vida das famílias, de forma que aumenta o vinculo. Constatamos também que o tempo de dedicação as praticas religiosas foi significante. Esse trabalho foi importante para conhecermos e compreendermos a diferença que faz a religiosidade na vida das pessoas uma vez que cuidaremos de vidas e sabe se que esse cuidado deverá se de maneira holística.

Palavras-chave: influência, espiritualidade, família, vínculo.

Abstrat

The family system changes as society changes, and all its members can be affected by internal and external pressures, in order to ensure the continuity and psychosocial growth of its members. This project had as objectives: to identify spirituality as a process of strengthening the family bond; Recognize the influence of religion on the family; And to report the family's feelings during religious practices. This is a cross-sectional exploratory quantitative-qualitative research. The study was carried out with ten individuals from families living in the South Zone of São Paulo, having as inclusion criterion, the participants had at least one relative in the community (house) who participated in religious practices. We observed through the answers that 20% of the participants rated religion as important in the following aspects: home and family basis; 20% faith and eternal life; 20% love union and participation; 20% guidance and direction and 20% responded as important to problem solving and difficulties. Regarding the religious activities developed by the family, we noticed that everyone participated in prayers, 90% of worship services, 50% of church groups, 20% volunteers and meditations and 10% of the hymns. We conclude that spirituality influences positively in the life of the families, in a way that increases the bond. We also found that the time of dedication to religious practices was significant. This work was important to know and understand the difference that makes religiosity in people's lives since we will take care of lives and know that this care should be in a holistic way.

Key words: influence, spirituality, family, bond.

1. Introdução

Segundo Minuchin (1985, 1988), a família é um complexo sistema de organização, com crenças, valores e práticas desenvolvidas ligadas diretamente às transformações da sociedade, em busca da melhor adaptação possível para a sobrevivência de seus membros e da instituição como um todo. O sistema familiar muda à medida que a sociedade muda, e todos os seus membros podem ser afetados por pressões interna e externa, fazendo que ela se modifique com a finalidade de assegurar a continuidade e o crescimento psicossocial de seus membros. Bottolli afirma que (apud SZIMANSKY,1992; WAGNER,2002) a família contemporânea tem apresentado novas configurações que estão sendo adquiridas ao longos dos tempos devido os avanços da tecnologias, fenômenos sócio-políticos, não se limitando mas a  família nuclear que envolve pai, mãe e filhos dos mesmos pais.

O IBGE (IBGE, 2003, período de 1992 a 2001) é a principal fonte de pesquisa para se ter um panorama geral das famílias no País, explicitando a situação domiciliar e tipo de composição das famílias rurais e urbanas. O arranjo familiar nuclear é o que possui maior percentual, embora ocorra mais em famílias da área rural (57%) do que da urbana (48%). Um tipo de arranjo familiar que vem crescendo na cidade (13%) é a de famílias onde há a mãe e os filhos, ocorrendo em cerca de 7,5% na zona rural. Quando há outros parentes morando junto, essa diferença praticamente se mantém (3,5% e 1,8%, respectivamente). Outros dados do IBGE (2003) apontam a nova mudança, plasticidade e adaptação das famílias. Os casais com filhos diminuíram de cerca de 59% para 53%; mulheres sem cônjuge com filhos aumentaram de 15% para 18%; casais sem filhos apresentaram um crescimento de 13% para 14%; pessoas morando sozinhas também aumentaram de 7% para 9%; outros tipos de famílias sofreram um aumento de 5% para 6%. Por outro lado, há tipos de arranjo familiar que vêm crescendo ao longo dos anos, e alguns deles ainda não foram detectados pelo censo do IBGE, como, por exemplo, o das famílias reconstituídas. Segundo os dados disponíveis (IBGE, 2003), em 2001 o número de casamentos foi de 673.452, enquanto o número de separações judiciais e divórcios encerrados em 1a instância elevou-se para 223.600, envolvendo 186.292 filhos e filhas.               

Neste tempo de crises em família, as igrejas incentivam cada membro da família a fortalecer sua dimensão espiritual e sua relação familiar por meio do amor mútuo, honra, respeito e responsabilidade

A religião é na família um maravilhoso poder. A conduta do esposo para com a esposa e desta para com aquele pode ser tal que torne a vida no lar uma preparação para pertencer à família de cima. — Carta 57, 1902.

De acordo com White (2004), declara que a relação conjugal “deve refletir o amor, a santidade, a intimidade e a constância da relação entre Cristo e Sua Igreja. Conquanto algumas relações de família fiquem aquém do ideal, os consortes que se dedicam inteiramente um ao outro em Cristo, podem alcançar amorosa unidade por meio da orientação do Espírito e da instrução da Igreja.  Deus abençoa a família e tenciona que seus membros ajudem um ao outro a alcançar completa maturidade.  Os pais devem educar os filhos a amar o Senhor e a obedecer-Lhe. Por seu exemplo e suas palavras, deve ensinar-lhes que Cristo é um disciplinador amoroso e sempre terno, a família de Deus”.

As crenças religiosas são diretrizes para a vida das pessoas onde os conjuntos de valores e comportamentos servem de referência para as tomadas de decisão. (Drosdek,Geronasso apud Gomes 2008). Dessa forma objetivou-se identificar a espiritualidade no âmbito familiar.

2. Objetivos

Identificar a espiritualidade como processo de fortalecimento do vínculo familiar;

Reconhecer a influência da religião na família; e

Relatar os sentimentos da família durante as práticas religiosas.

3. Métodos

Trata- se de uma pesquisa com abordagem quanti- qualitativa exploratória transversal com o intuito de identificar a espiritualidade como estratégia de fortalecimento do vínculo familiar.

O estudo foi realizado com dez indivíduos de famílias residentes na Zona Sul de São Paulo, tendo como critério de inclusão, os participantes terem pelo menos um familiar no convívio (casa) que participam de práticas religiosas.

Os participantes voluntários da pesquisa receberam o termo de consentimento livre esclarecido em duas vias para assinatura constando os objetivos e as informações claras sobre a pesquisa.

As entrevistas foram gravadas, os participantes responderam ao questionário semi estruturado realizado pelas pesquisadoras com questões inerentes aos objetivos da pesquisa (4 questões abertas e 4 fechadas).

4. Resultados e discussões

Gráfico 1 – A Religião praticada pela família

 

Com esses dados observamos que 40% dos participantes da pesquisa responderam que freqüentam a igreja adventista e são evangélicos (não especificados) e 20% são da Congregação Cristã no Brasil. Os evangélicos, incluindo-se tanto os ramos tradicionais quanto pentecostais, seguem a sua trajetória de crescimento, passando de 16,2% para 17,9% nos primeiros anos desta década achegando a 20,2%. Os “sem religião”, cuja participação caiu de 7,4% para 5,1% mas sobem para 6,72% em 2009. Ou seja, a religiosidade não esteve em baixa no Brasil na alvorada do novo milênio e, além disso, houve diversificação das crenças alternativas na década passada. As religiões alternativas, que saíram de 2,6% em 2000 para 3,2% em 2003, sofrem particular incremento nos seis anos seguintes, chegando a 4,62% em 2009. (Novo Mapa das Religiões, 2011)

Tabela 1 A importância da religiosidade no núcleo familiar

Afirmaram:

Número

%

Base (família/lar)

2

20 %

Fé/vida eterna

2

20 %

Amor/União/Participação

2

20 %

Orientação/direção

2

20 %

Resolução de problemas  e dificuldades

2

20 %

Total

10

100%

 

A tabela mostra que 20% dos participantes pontuaram religião como importante nos seguintes aspectos: base do lar e família; 20% fé e vida eterna; 20% amor união e participação; 20% orientação e direção e 20% responderam como importante da ajuda de resoluções de problemas e dificuldades. Nesse  contexto, PIETRUKOWICZ (2001) salienta que as práticas religiosas permitem  que as pessoas interagirem com outras ou em grupo, a partir de um estabelecimento de um contato sistemático, criando vínculos de amizade e pertencimento. Assim, o apoio social recebido oportuniza um efeito benéfico como expressão de saúde para as pessoas que participam de tais atividades.

Tabela: 02 –  Significado  família para os participantes

AFIRMARAM QUE:

%

A família é a base da sociedade/ por mais que se tenham desentendimentos. Amor, companheirismo, parceria, alicerce.

4

40

A família importa-se com o outro e quer estar junto/União de duas pessoas/companheirismo.

3

30

A família é pai, mãe, filho, as pessoas da igreja, amigo, é tudo.

3

30

TOTAL

10

100

 

A família é considerada a primeira instituição social que busca assegurar a continuidade e bem estar e proteção dos seus membros e coletividade, sendo responsável por transmitir os valores crenças resultando numa forte influência no comportamento dos indivíduos e nas relações sociais, principalmente com as crianças. (Dessen,Polonia 2007 apud Kreppner, 2000). No mesmo trabalho o autor relata que o conceito família tem evoluído onde não existe uma única configuração de família, pois atualmente existe diversas combinações de famílias contemporâneas como nuclear, recasadas, monoparetais, homossexuais entre outras (Dessen, Polonia 2007  apud Stratton, 2003) e também o trabalho relata que a família não pode ser considerada apenas aquelas com laços de consangüinidade (Dessen e Polonia 2007  apud Petzold, 1996).

Tabela 3 - Pratica a mesma religião que a dos pais

Respostas

Número

      %

Sim

5

  50%

Não

5

 50%

Total

10

100%

 

 

 

 

 

Ao analisar as respostas dos participantes é possíveis verificar que 50% dos participantes praticavam a mesma religião que a dos pais e os outros 50% não praticavam. Segundo Coutinho (2015): ‘’A família é o fator essencial da socialização religiosa. Como instituição principal de educação religiosa, no seu seio a herança religiosa transmite-se de geração em geração como cadeia de memória.’’

Respeitar as diferenças é fundamental, principalmente porque o objetivo principal das religiões é transmitir os aspectos positivos dos seres humanos, relacionados à sua natureza, princípios e valores, tendo sempre em mente a compreensão do outro. (BHUMI,2011).

Gráfico 2 – Tipos de atividades religiosas que a família prática

 

Ao questionar os participantes quais as atividades eram praticadas juntamente com a família observamos que todos participavam  orações, 90% de cultos, 50% de grupos na igreja, 20% de voluntariados e meditações e 10% dos hinos.

Gráfico 3 - Quanto tempo a família dedica as praticas religiosas:

 

Toda família deve fazer orações familiares diárias. Todos se ajoelham juntos e o pai oferece a oração ou pede um dos familiares que a faça. Todos
devem ter regularmente oportunidade de proferir a oração familiar. Os filhos pequenos podem orar, com a ajuda dos pais, quando chegar a sua vez. As orações familiares são excelentes ocasiões para ensinar as crianças a orarem para ensinar-lhes princípios como fé em Deus, humildade e amor. A família pode realizar a noite familiar de diversas maneiras. Qualquer atividade que reúna a família fortaleça os laços de amor entre todos, ajuda aproximá-los do Pai Celestial e os incentiva a viver em retidão pode ser uma noite familiar. Exemplos dessas atividades em família podem incluir ler as escrituras, discutir o evangelho, prestar testemunho, fazer um projeto de serviço, cantar juntos, fazer um piquenique ou uma brincadeira, caminhar. Todas as noites familiares devem incluir uma oração. As lições da noite familiar podem ser baseadas nas escrituras, nas palavras dos profetas dos últimos dias, particularmente nos discursos de conferência geral, e em experiências pessoais e testemunhos. Muitas lições deverão ser centralizadas no nascimento, vida, ensinamentos e na Expiação do Salvador. Princípios do Evangelho e algumas revistas contêm artigo se outras informações a respeito de vários assuntos que podem fazer parte das lições da noite familiar (GUIA DA FAMILIA, 2001).

Questão 7 – Em sua opinião a religião proporciona maior vinculo familiar?

No que tange a questão supracitada, todos os participantes (100%) responderam positivamente a religião como fortalecimento de vinculo familiar.

Vivemos hoje a perda do vínculo familiar devido a colocação da satisfação pessoal em primeiro lugar. Segundo Moraes (2015) as famílias modernas estão deixando a desejar a disponibilidade dos membros estarem juntos para o bem-estar da família. Os casais estão compartilhando mais a vida financeira do que a afetiva, levando freqüentemente ao rompimento das relações no vínculo familiar, pois o estar juntos deixou de ser a primeira satisfação. Por isso observa-se que a religião traz valores que propiciam a união familiar, e aumentam o vínculo entre os familiares por abordar que devemos vivenciar o mundo como algo mais que material e observável.

Gráfico 4 - Os sentimentos, atitudes e/ou aspectos que foram desenvolvidos na família após as práticas religiosas na opinião dos participantes:

 

Relacionado aos sentimentos, atitude e/ou aspectos desenvolvidos após aderirem as praticas religiosas, todos os participantes mencionaram a paciência, compreensão e união. Seis dos participantes afirmaram que desenvolveram o cuidado, harmonia e satisfação. Sete responderam a felicidade e maior atenção com os outros e 3 citaram a empatia. Prosperidade e sensação de sentir se completo foram sentimentos acrescentados por 2 participantes.

Segundo o site DDS Online, os valores de cada pessoa devem ser desenvolvidos primeiramente no âmbito familiar, e a religião nos dias atuais procura oferecer apoio no desenvolvimento dos valores perdidos nas famílias, possibilitando que os membros alcancem a paz interior, equilíbrio, autoanálise, socialização, envolvimento e maior diálogo entre as pessoas. Por isso não é estranho ver que as pessoas que praticam religião desenvolvam maior paciência, compreensão e união na família como relatado pelos participantes.

5. Conclusão

Nesse trabalho abordamos a influência da espiritualidade e o fortalecimento de vínculo no âmbito familiar e concluímos que a espiritualidade influência positivamente na vida das famílias, de forma que aumenta o vínculo, além de desenvolver e melhorar alguns aspectos e sentimentos na família. Observamos também que o tempo de dedicação as praticas religiosas foram significantes. A espiritualidade foi mencionada como importante na vida de todos participantes de diversas maneiras.

Esse trabalho foi significativo para conhecermos e compreendermos a diferença que faz a religiosidade na vida das pessoas uma vez que cuidaremos de vidas e sabe se que esse cuidado devera se de maneira holística.

6. Referências bibliográficas

BOTTOLI, C ; BÜRGER,R. B. ; CASTRO,L. M; FERRÃO, N. R. TRANSFORMAÇÕES DA FAMILIA NUCLEAR PARA A FAMÍLIA CONTEMPORANEA: NOVAS CONFIGURAÇÕES (2012). XV SIMPEP, UNIFRA, Santa Maria – RS, 2012. Disponível em: http://www.unifra.br/eventos/interfacespsicologia/Trabalhos/3081.pdf

CÔRTES, N. M. NOVO MAPA DAS RELIGIÕES. Rio de Janeiro, FGV, CPS, 2011.

COUTINHO, J. P. Jovens, Religião e Família nos últimos 20 anos. Disponível em:

http://www.snpcultura.org/jovens_religiao_e_familia_nos_ultimos_20_anos.html. Acesso em: 03/11/2016

Dessen, M. A.; Polonia, A. C. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia. v 17,n.36,p. 21-32, 2007.

DDS online. A prática religiosa e seus benefícios para a saúde. Disponível em http://ddsonline.com.br/dds-temas/saude/635-a-pratica-religiosa-e-seus-beneficios-para-a-saude.html Acesso em: 03/11/2016

Drosdek, Geronasso. A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NOS RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS DE ADOLESCENTES QUE FAZEM PARTE DO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ. Rev. Psicologia em Foco. v. 7 n. 10 p.35-53, 2015. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/psicologiaemfoco/article/view/2027

A igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Guia da Família. Salt Lake City, Utah: 2001. Disponível em: https://www.lds.org/bc/content/shared/content/portuguese/pdf/language-materials/31180_por.pdf?lang=por

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2003). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/default.shtm . Acesso em: 4 set. 2005.

MINUCHIN, P. Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Development, v. 56, p.289-302, 1985. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3886321

MORAES, MARIA PINHEIRO. O papel da família e do ensino religioso na formação ética do adolescente no ensino fundamental II, nas escolas estaduais de Boa Vista - Roraima. 2015, 124fl., Dissertação (Mestrado), Universidade Católica de Pernambuco. Mestrado em Ciências da religião, 2015. Disponível em: http://www.unicap.br/tede/tde_arquivos/5/TDE-2015-05-04T153324Z-752/Publico/maria_pinheiro_morais.pdf

PIETRUKOWICZ, M. C. L. (2001). Apoio Social e Religião: uma forma de enfrentamento  dos problemas de saúde. Dissertação de Mestrado em saúde pública, Escola Nacional de saúde pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ.

WHITE; E.G. O Lar Adventista. 2004. http://centrowhite.org.br/files/ebooks/egw/O%20Lar%20Adventista.pdf

Autores 

Daniela Gouveia dos Santos; Laís Sá de Souza; Letícia Oliveira; Shana Galeano e Stefani da Silva Alves, Discentes do Curso de Graduação de Enfermagem – UNASP/SP. e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Eunice Barros Ferreira Bertoso, Pedagoga, psicóloga, psicopedagoga, mestre, docente, orientadora, Centro Universitário Adventista de São Paulo - UNASP/SP. e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Vivian Inácio Zorzim, Enfermeira Obstetra, mestre, docente, coordenadora  do Curso de Graduação de Enfermagem, Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP/SP. 

Bem-vindo(a) ao Ppol

Obrigado por visitar nosso Portal!

Aproveite sua visita e faça seu registro.

Busca

Login

Notícias

Portal Brasil