Esta pesquisa, de caráter exploratório, foi dedicada a análise do trabalho do professor que atua como formador dos seus pares. Especificamente, a temática enunciada foi estudada considerando a atividade ocupacional dos formadores de outros docentes para a atuação no campo da educação profissional. Os objetivos foram identificar e examinar: os instrumentos constitutivos da laboralidade destes profissionais;...

Resumo
Esta pesquisa, de caráter exploratório, foi dedicada a análise do trabalho do professor que atua como formador dos seus pares. Especificamente, a temática enunciada foi estudada considerando a atividade ocupacional dos formadores de outros docentes para a atuação no campo da educação profissional. Os objetivos foram identificar e examinar: os instrumentos constitutivos da laboralidade destes profissionais; a concepção de mediação pedagógica subjacente aos textos prescritivos da atividade dos formadores; as matrizes teórico-metodológicas mobilizadas no cotidiano de trabalho. Foram adotados os aportes teórico-metodológicos da Clínica da Atividade, vertente da Psicologia Social do Trabalho. Optou-se pela aplicação do dispositivo de pesquisa nomeado autoconfrontação simples, que articula e integra entrevista, observação, análise documental e registro em áudio e vídeo do trabalho. Foram voluntários o coordenador e três formadores de um curso realizado por uma instituição educacional paulista. Os resultados apontaram que a ocupação dos formadores é atividade dirigida para outras pessoas, com uso de instrumentos concretos e semióticos. Os textos prescritivos sugerem a utilização da perspectiva cognitivista de educação, mas na ação efetiva dos formadores foi empregada abordagem inspirada na visão histórico-cultural de desenvolvimento humano. Ainda, foi possível observar que a atividade do formador demanda uma profunda compreensão da função dos textos prescritivos nos processos ocupacionais e, também, a mestria para mobilizar e mourejar saberes teóricos e metodológicos próprios dos campos da Educação e da Psicologia do desenvolvimento humano de maneira a modificar as prescrições laborais durante o curso efetivo do trabalho.
Palavras-chaves: formação de professores, educação profissional, Psicologia do Trabalho.
|
INTRODUÇÃO
Este artigo apresenta os resultados de um estudo exploratório que teve como objeto a atividade laboral do formador de professores do campo da educação profissional técnica de nível médio. A análise da temática foi realizada por meio do estudo do trabalho de um grupo de formadores de um curso denominado Educação e Linguagem, que contava com a participação de professores que trabalhavam numa rede de escolas pertencentes a uma instituição de educação profissional do Estado de São Paulo. Especificamente esta pesquisa teve como objetivo identificar e examinar três dimensões do trabalho dos formadores de docentes: a) os instrumentos de trabalho utilizados pelos formadores; b) a perspectiva de mediação pedagógica subjacente aos textos prescritivos do trabalho destes profissionais; c) as matrizes teóricas e metodológicas mobilizadas pelos formadores durante a efetiva realização da sua atividade laboral.
Considerando os objetivos da investigação foram delimitadas três categorias analíticas, que favoreceram o exame do trabalho dos formadores, a saber: trabalho prescrito, trabalho real e trabalho interpretado. Nesta pesquisa foram empregadas as definições de Bronckart para trabalho prescrito e trabalho real, conforme segue:

A primeira expressão designa o trabalho como ele é predefinido em diversos documentos produzidos pelas empresas ou pelas instituições, que dão instruções, modelos, modos de emprego, programas, etc. Portanto o ‘trabalho prescrito’ constitui-se como uma representação do que deve ser o trabalho, que é anterior à sua realização efetiva [...]. Já a expressão ‘trabalho real’ designa as características efetivas das diversas tarefas que são realizadas por um trabalhador em uma situação concreta. (Bronckart, 2006, p. 208)

O trabalho interpretado, de acordo com Machado (2007), é composto pelo conjunto de reflexões e análises que o trabalhador elabora sobre a sua própria atividade laboral após ela ter sido realizada. O trabalho interpretado se manifesta por meio dos discursos e representações construídas pelo trabalhador acerca de suas atividades cotidianas. Inclui os conceitos e teorias adotadas pelo indivíduo em seu trabalho, suas motivações, o modo como ele percebe as ações realizadas, bem como as responsabilidades assumidas no espaço em que executa o seu ofício.

Neste estudo foram adotadas como referências os aportes teóricos e metodológicos a Clínica da Atividade, que se insere nas Ciências do Trabalho, particularmente no campo da Psicologia do Trabalho. De modo complementar, foram utilizados os aportes do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) sobre os diferentes tipos de trabalho, conforme definições anteriormente explicitadas. A recolha de dados foi realizada por intermédio do dispositivo denominado autoconfrontação, que foi desenvolvido no âmbito da Clínica da Atividade e tem sido usado por psicólogos, analistas do trabalho e pesquisadores para intervir em processos laborais e favorecer a recolha e a análise de informações para pesquisas acadêmicas. Este dispositivo reúne, de modo integrado e articulado, instrumentos ou procedimentos de pesquisa como a entrevista semiestruturada; a análise de documentos prescritivos e o registro em áudio e vídeo de sequencias de trabalho. A investigação contou com a participação voluntária de três formadores e do coordenador do curso Educação e Linguagem, que era oferecido como parte de um amplo programa institucional de capacitação docente para a educação profissional.

Vale destacar que o interesse pelo trabalho dos formadores de professores para a educação profissional de nível médio justifica-se em função do reduzido número de estudos científicos sobre o tema, conforme sinalizaram as informações obtidas em levantamento que realizamos e que considerou os dados tornados disponíveis pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que possui um repositório eletrônico que reúne mais de 125 mil resumos de teses de doutorado e dissertações de mestrado concluídas em Programas de Pós-Graduação stricto sensu do país. Neste banco digital, entre 1987 e 2013, foram localizadas apenas quarenta pesquisas dedicadas à análise do trabalho docente formador nos diferentes níveis educacionais brasileiros, mas nenhuma sobre o trabalho do formador de professores para a educação profissional técnica de nível médio. Em face do exposto, o presente estudo foi realizado visando, também, contribuir para minimizar esta lacuna nos estudos especializados.

Este artigo está organizado em três seções, além desta introdução e das referências bibliográficas, em que abordamos, sucessivamente: a) Método, que se desdobra em 'contexto de realização do estudo', 'abordagem metodológica adotada' e 'procedimentos de recolha dos dados'; b) Discussão dos dados; c) conclusões.

MÉTODO
O contexto da recolha dos dados
Neste tópico foram delineados: o contexto institucional em que estavam inseridos os formadores e o curso utilizado como meio para a recolha de dados; as características profissionais gerais dos voluntários da pesquisa. Cumpre mencionar, antes do relato do estudo, que, por solicitação dos seus voluntários e em respeito ao sigilo ético em pesquisas com humanos, foram omitidas as informações que pudessem identificar os participantes da investigação, bem como, da instituição promotora do curso Educação e Linguagem, de agora em diante nomeada Escola Formadora, sem prejuízo para o entendimento dos achados e reflexões sobre a temática examinada.
Os dados foram coletados em uma organização educacional de caráter público que possui cinquenta e quatro escolas no Estado de São Paulo. No tocante à estrutura corporativa, a Escola Formadora tem órgãos de administração estadual, responsáveis pelas diretrizes de ação institucional; departamentos de gestão municipais que, a partir das diretrizes estaduais, elaboram as estratégias de atendimento à demanda populacional e de formação técnica profissionalizante considerando as particularidades de cada localidade.
Nesta pesquisa optou-se pelo estudo do trabalho dos formadores de professores realizado em um curso, denominado Educação e Linguagem, que fazia parte do programa institucional de formação de professores (doravante Programa) da Escola Formadora. Este Programa, que reunia vinte e cinco cursos temáticos de capacitação em serviço dos docentes, era organizado e oferecido pelo setor de gestão de pessoas da Escola Formadora. Os cursos, que tinham duração mínima de dezesseis horas e máxima de quarenta e oito horas, contemplavam temáticas como trabalho pedagógico por projetos e por competências; planejamento e avaliação do processo pedagógico; uso de artefatos tecnológicos facilitadores da aprendizagem; entre outros.
A opção pelo curso em que foi realizada a recolha dos dados ocorreu em acordo entre o pesquisador e os quatro voluntários da pesquisa (coordenador e três formadores do curso). O critério para escolha do curso foi o elevado número de professores que eram capacitados nas suas turmas e, principalmente, o fato de os formadores considerarem que se tratava de processo formativo que oferecia maior complexidade pedagógica, de modo que a própria participação dos voluntários nesta pesquisa poderia contribuir para a reflexão acerca do trabalho realizado.
O curso Educação e Linguagem possuía duração de 38 horas e, de acordo com o Projeto Pedagógico do Programa de formação de docentes (Escola Formadora, 2012b), tinha como objetivo contribuir para a apropriação, por parte dos docentes participantes, de estratégias de ensino acerca do uso da língua portuguesa (oral e escrita) adaptadas às necessidades de aprendizagem alunos de cursos técnicos profissionalizantes.
É importante registrar que todo o curso era estruturado e realizado por meio do uso, pelos formadores e pelos docentes em fase de capacitação, de um software educacional, |
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Bronckart, J.P. (2006). Atividade de Linguagem, Discurso e Desenvolvimento Humano. (Tradução A.R. Machado, M.L.M. Matencio). Campinas, SP: Mercado das Letras.
Clot, Y. (2006). A Função Psicológica do Trabalho. (Tradução de A. Sobral). Petrópolis, RJ: Vozes.
_____. (2010). Trabalho e Poder de Agir. (Tradução G.Freitas, M. Vianna). Belo Horizonte, MG: Fabrefactum.
Coll, C. (1994). Aprendizagem Escolar e Construção de Conhecimento. Porto Alegre: ArtMed.
Duarte, N. (2006). Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados.
Escola Formadora. (2012a). Proposta pedagógica institucional. São Paulo. (Documento de circulação interna).
_____. (2012b) Projeto pedagógico do programa institucional de formação de docentes. São Paulo. (Documento de circulação interna).
_____. (2012c). Plano do curso Educação e Linguagem. São Paulo. (Documento de circulação interna).
Leontiev, A. N. (2004). O desenvolvimento do psiquismo. (2ª ed., Tradutor R.E. Frias) São Paulo: Centauro. (Trabalho original publicado em 1954).
Machado, A.R. (2004). (org.). O Ensino como Trabalho: Uma abordagem discursiva. Londrina, PR: Eduel.
Machado, A.R., COUTINHO, A.M.M. (2007). (Orgs.). O interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Mercado de Letras.
MASETTO, M.T. (2003). Competência Pedagógica do Professor Universitário. São Paulo: Summus.
Mizukami, M.G. (2003). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU.
Scatena, A. (2009). (Org.). Investigando Textos com Sherlock!: Manual do Usuário. Software de David Carraher, São Paulo: Editora SENAC-SP.
Serviço Nacional De Aprendizagem Comercial Do Estado De São Paulo/Senac-SP. (2009a). O que é o Sherlock. São Paulo: Editora Senac-SP.
_____. (2009b) Investigando Textos com Sherlock! Planejamento de uso. São Paulo: Editora Senac-SP.
_____. (2009c). Investigando Textos com Sherlock! Aprendendo inglês cm Sherlock. São Paulo: Editora Senac-SP.
Tardif, M., Lessard, C. (2005). O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. (Tradução J.B. Kreuch). Petrópolis, RJ: Vozes.
Vigotski, L.S. (2000). A Construção do Pensamento e da Linguagem. (P. Bezerra). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1934).
_____. (2004) Teoria e Método em Psicologia. (3ª ed. Tradução C. Berliner), São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1927).
_____. (2007). A Formação Social da Mente. (7ª ed., Trad. J.C. Netto, L.S.M. Barreto, S.C.A.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1929).

Bem-vindo(a) ao Ppol

Obrigado por visitar nosso Portal!

Aproveite sua visita e faça seu registro.

Busca

Login

Notícias

Portal Brasil