A memória humana e seus principais déficits: uma revisão da literatura
A memória compreende processos complexos pelos quais o indivíduo codifica, armazena e resgata informações. A memória humana ocupa um papel importante na constituição subjetiva e coletiva do homem e configura-se como a retenção dos conhecimentos adquiridos sobre o mundo. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo realizar uma revisão da literatura acerca dos aspectos gerais da memória humana e seus... A memória humana e seus principais déficits: uma revisão da literatura
RESUMO: A memória compreende processos complexos pelos quais o indivíduo codifica, armazena e resgata informações. A memória humana ocupa um papel importante na constituição subjetiva e coletiva do homem e configura-se como a retenção dos conhecimentos adquiridos sobre o mundo. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo realizar uma revisão da literatura acerca dos aspectos gerais da memória humana e seus principais comprometimentos. Para tanto, foram utilizados artigos científicos publicados em bases de dados on-line: Scientific Eletronic Library On-line (Scielo), Literatura Latino Americana do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), bem como livros, dissertações e teses, publicados do período de 1995 a 2014, que abordam o tema em estudo. Os resultados obtidos mostram que entre os comprometimentos mais comuns abordados na literatura, encontram-se: as amnésias circunstanciais e os principais tipos de demência, entre eles a Doença de Alzheimer. A memória exerce um papel essencial no exercício das atividades de vida diária, nas relações interpessoais e em todas as atividades funcionais e profissionais.
Palavras-chave: memória, demência, amnésias, neuropsicologia.

ABSTRACT: The memory comprises complex processes by which the individual encodes, stores and retrieves information. The human memory plays an important role in the subjective and collective constitution of human being and appears as the retention of acquired knowledge about the world. In this sense, this paper aims to conduct a literature review about the general aspects of human memory and its main deficits. To this end, we used scientific articles published in online databases: Scientific Electronic Library Online (Scielo), Latin American Literature Caribbean Health Sciences (LILACS) as well as books, dissertations and theses, published in period 1995-2014, on the topic under study. The results obtained show that among the most common findings discussed in the literature are the circumstantial major amnesia and dementias, including Alzheimer's disease. Memory plays an essential role in the performance of activities in daily life, interpersonal relationships and in all functional and professional activities.
Keywords: memory, dementia, amnesias, neuropsychology.

|
1 INTRODUÇÃO
Assim como as informações sensoriais que chegam são decompostas e então reconstruídas para formar percepções, também as percepções são novamente decompostas à medida que entram na memória. De forma comparativa, cada fragmento é despachado para uma parte diferente de nossa vasta biblioteca interna. Mas, à noite, quando o corpo descansa, esses fragmentos são retirados dos compartimentos, remontados e reprisados. Nesse sentido, é possível observar a importância da memória humana na constituição subjetiva e coletiva do homem. Sem a memória, o indivíduo compromete a relação consigo e com os outros. Dessa forma, o estudo da memória e suas deficiências se destaca por sua importância tanto no âmbito da saúde como nas relações sociais (CARTER, 2007).
Segundo Robert Lent (2008), a palavra “memória” pode ser definida como a capacidade dos animais, incluindo o homem, de armazenar informações que possam ser recuperadas e utilizadas posteriormente. Já de acordo com Izquierdo (2002), a memória pode ser caracterizada como a aquisição, o armazenamento e a evocação de informações. Tais processos são importante para a formação da memória, independente da classificação utilizada para avaliá-la. No entanto, é válido destacar que o conceito de memória está mais relacionado à capacidade evocação, enquanto o processo de aquisição de novas informações que serão retidas na memória é constituído de outro processo, o aprendizado, sendo através deste que conseguimos orientar o nosso comportamento e o nosso pensamento.
Dessa forma, o processo de formação de memórias deve-se a alterações da capacidade de transmissão sináptica de um neurônio para o outro, em decorrência da propriedade do neurônio de gerar sinais elétricos que funcionam como unidades de informação, sendo que o número de conexões estabelecidas não é determinado pelo número de neurônios, mas pela experiência, aliada à maturação neurológica, moldando a qualidade de conexões estabelecidas entre as redes neuronais. Os impulsos elétricos produzidos contêm e processam informações referentes ao ambiente externo ou interno, formando complexos códigos que veiculam pensamentos, memórias, emoções, etc. (LENT, 2008).
Muitos modelos têm sido propostos para explicar os processos de memória. O clássico modelo modal de memória (Atkinson; Shiffrin, 1968) comporta a ideia de que a informação passa por um armazenador temporário sensorial, seguindo para um de curta duração e finalmente para um depósito de longa duração. Uma abordagem relativamente recente é a de que a memória é formada por componentes que são mediados independentemente por distintas áreas do sistema nervoso, porém de forma integrada (STRAUSS; SHERMAN; SPREEN, 2006).
Já a classificação da memória proposta por Quevedo e colaboradores (2011) é feita segundo a função (memória de trabalho, priming, emocional e aprendizado motor condicionado) e pelos sistemas utilizados no aprendizado e na evocação (visuais, auditivas, olfativas, táteis, gustativas, proprioceptivas, de linguagens, musicais). Ressalta-se ainda que a memória pode ser classificada com base em dois critérios: duração e conteúdo. Em relação ao tempo de duração, pode-se dividir a memória em três modalidades: memória de curto prazo, que dura de alguns segundos a alguns minutos (por exemplo: alguém lhe pede para decorar um número de telefone e, passado uma hora ou mais, você já não lembra o número); memória de prazo intermediário, onde pode haver uma duração de minutos a várias semanas; e, por fim, memória de longo prazo, que começa no momento da aquisição da informação e dura até a morte. Adicionalmente, ainda que compreendam a memória de duração mais breve, as memórias de curto e médio prazo podem ser prolongadas conforme a quantidade de vezes que são evocadas (LENT, 2008).
Fisiologicamente, este processo pode ser explicado por um aumento na quantidade de cálcio citoplasmático na terminação pré-sináptica (existe uma terminação pré e outra pós-sináptica), proporcionalmente à quantidade intracitoplasmática de cálcio, mais neurotransmissor é liberado na fenda sináptica (espaço entre as terminações pré e pós-sinápticas). Tal efeito pode ser ainda acompanhado da produção dos mensageiros secundários adenilil ciclase, AMPc, quinases, etc. Vale salientar que neste tipo de memória já ocorrem mudanças neuronais significativas ocasionadas por estes processos (GUYTON, 2006).
No que concerne à memória de longo prazo, o mecanismo envolvido nesse tipo de memória parece estar relacionado a um aumento na quantidade de neurônios, bem como do número de sinapses dos neurônios pré-existentes e das demais alterações que já se fazem presente no processo da memória de prazo intermediário (IZQUIERDO et al., 1999; IZQUIERDO et al., 2002; LENT, 2008; RICHTER et al., 2005).
Em relação à classificação da memória quanto ao conteúdo, esta pode ser do tipo explícita/declarativa, implícita/não-declarativa e operacional. A memória explícita ou
declarativa é responsável por registrar fatos, acontecimentos ou conhecimentos e pode ser episódica ou semântica. Já a memória implícita ou não-declarativa diz respeito as representações perceptuais, memórias de procedimentos, associativa e não-associativa. Para diferenciar estes dois tipos de memória, deve-se ter em mente que na memória implícita não é necessário o ato da verbalização para demonstrar que se possui tal memória, pois elas assumem um caráter inconsciente e são comumente chamadas de “hábitos”. Por fim, a memória operacional, destaca-se na resolução de problemas imediatos, sendo utilizada temporariamente (IZQUIERDO et al., 1999; IZQUIERDO, 2002).
É possível perceber que a memória exerce um papel fundamental no exercício das atividades diárias, nas relações interpessoais e em todas as atividades funcionais e profissionais. Nessa perspectiva, déficits na memória acarretam prejuízos imensuráveis para o indivíduo e todo o contexto em que ele se insere (SABIA et al,. 2009). Um grande número de fatores ambientais tem sido investigado como potenciais fatores de risco para o déficit de memória. Dentre esses fatores encontram-se os hábitos alimentares, tabagismo, atividade física, nível educacional, além de hábitos de vida (BENEDETTI et al. 2008, TERUYA et al., 2009).
Diante do que foi exposto, o presente trabalho tem como objetivo realizar uma revisão da literatura acerca dos aspectos gerais da memória humana e seus comprometimentos.

2 MATERIAIS E MÉTODOS
Para a consecução da presente pesquisa, a metodologia empregada foi a revisão de literatura com o objetivo de organizar, integrar e avaliar pesquisas importantes sobre um tema específico (KOLLER; COUTO; HOHENDORFF, 2014). Realizou-se uma busca de artigos científicos publicados nas bases de dados on-line: Scientific Eletronic Library On-line (Scielo), Literatura Latino Americana do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), bem como livros, dissertações e teses, publicados do período de 1995 a 2014, que abordam o tema em estudo. Como descritores para a busca nas bases de dados utilizou-se a combinação entre os termos: Memória, Demência, Amnésias, Neuropsicologia.
Inicialmente, realizou-se uma consulta bibliográfica para selecionar o material adequado à definição conceitual da pesquisa e sua fundamentação teórica, seguida de uma análise dos resultados dessas pesquisas. Quanto aos critérios de inclusão, foram analisados apenas estudos que abordam conceitos sobre memória e seus comprometimentos mais significativos, realizados com humanos e que foram publicados no período de tempo anteriormente citado. Quanto aos critérios de exclusão, foram retirados da revisão estudos que avaliavam déficits de memória em comorbidade com outros comprometimentos neurocognitivos.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO
3.1 COMPROMETIMENTOS COMUNS NA MEMÓRIA
A amnésia está entre os comprometimentos de memória mais comuns. Existem três tipos de amnésia, a saber: amnésia anterógrada, am|
5 REFERÊNCIAS
ATKINSON, R. C.; SHIFFRIN, R. M. Human memory: a proposal system and its control process. In K. W. S. a J. T. Spence (Ed.), The psychology of learning and motivation , v. 8. London: Academic Press, 1968.
BENEDETTI, T.R.B.; BORGES, L.J.; PETROSKI, E.L.; GONÇALVES, L.H.T. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 2, p. 302-307, 2008.
CARAMELLI, P.; VIEL, A.H. 100 anos da doença e Alzheimer. São Paulo: Segmento Farma, 2006.
CÁRTER, R. O Livro de ouro da mente. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 2003.
DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2008.
EMRE, M. Memantine: a new hope for treatment of Lewy body related dementias?. The Lancet Neurology, v. 8, n. 7, p. 594- 595, 2009.
GALLUCCI N, J.; TAMELINI, M. G.; FORLENZA, O. V. Diagnóstico diferencial das demências. Rev. Psiq. Clín., v. 32, n. 3, 119-130, 2005.
GUYTON, A. C. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.
HAMDAN, A. C. AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER E NO COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE. Psicol. Argum., v. 26, n. 54, p. 183-192, 2008.
IZQUIERDO, I. et al. Separate mechanisms for short- and long-term memory. Behavioural Brain Research, v. 103, n. 1, p. 1-11, 1999.
IZQUIERDO, I. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.
IZQUIERDO, I.; MEDINA, J. H. Memory formation: the sequence of biochemical events in the hippocampus and its connection to activity in other brain structures. Neurobiology of learning and memory, v. 68, n. 3, p. 285-316, 1997.
IZQUIERDO L. A. et al. Molecular Pharmacological Dissection of Short- and Long Term Memory. Cellular and Molecular Neurobiology, v. 22, n. 3, p. 269-287, 2002.
KAPCZINSKI, F.; QUEVEDO, J.; IZQUIERDO, I. Bases Biológicas dos Transtornos Psiquiátricos. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.
KERTESZ, A. Pick Complex—Historical Introduction. Alzheimer Disease & Associated Disorders, v. 21, n. 4, p. S5-S7, 2007.
KOLLER, S. H.; COUTO, M. C. P. P.; HOHENDORFF, J. V. Manual de Produção Científica. Porto Alegre: Penso, 2014.
KOPELMAN, M.D. Disorders of memory. Brain, v. 125, p. 2152-2190, 2002.
LENT, R. Cem Bilhões de Neurônios: Conceitos Fundamentais de Neurociências. São Paulo: Atheneu, 2008.
LILLO, P.; HODGES, J R. Frontotemporal demential and motor neurones disease. J Clin Neurosci, v. 16, p. 1131-1135, 2009.
NASCIMENTO, E. R.; BARBOSA, M. A.; BRASIL, V. V.; SOUSA, A. L. L.; AMARAL, G. F.; JÁCOMO, P. J. Qualidade de vida de quem cuida de portadores de demência com corpos de Lewy. J Bras Psiquiatr., v. 62, n. 2, p. 144-52, 2013.
PRATA, T.; ESGALHADO, G. Estudo do processamento mnésico consciente e não consciente de palavras emocionais. Revista de Psicología, v. 1, n. 1, p. 451-466, 2014.
RICHTER et al. Social recognition memory requires two stages of protein synthesis in mice. Learning & Memory, v. 12, n. 4, p. 407- 413, 2005.
ROMÁN, G.C. - Defining Dementia: Clinical Criteria for the Dignosis of Vascular Dementia. Acta Neurol Scand, v. 106 (Suppl. 178):6-9, 2002.
SABIA, S.; NABI, H.; KIVIMAKI, M.; SHIPLEY, M.J.; MARMOT, M.G.; SINGH-MANOUX, A. Health behaviors from early to late midlife as predictors of cognitive function the Whitehall II Study. American Journal of Epidemiology, v. 170, n. 4, p. 428-437, 2009.
STRAUSS, E.; SHERMAN, E. M. S.; SPREEN, O. A compendium of neuropsychological tests: administration, norms and commentary. New York: Oxford University, 2006.
TERUYA, L.C.; ORTIZ, K.Z.; MINETT, T.S.C. Performance of normal adults on Rey Auditory Learning Test: a pilot study. Arquivos de Neuro-psiquiatria, v. 67, p. 224-228, 2009.

Bem-vindo(a) ao Ppol

Obrigado por visitar nosso Portal!

Aproveite sua visita e faça seu registro.

Busca

Login

Notícias